ARQUIVO DE ARTIGOS

Lìngua: PORTUGUÊS

Temperança (para além da escassez)

Comentários - As virtudes a serem redescobertas e vividas

por Luigino Bruni 

publicado em Avvenire  dia 11/08/2013 

logo_avvenire

A temperança é uma palavra que está saindo do nosso vocabulário civil. Do econômico já saiu há muito tempo, para deixar espaço ao seu contrário. Nós a usamos agora para o clima, para as escalas musicais ou para o cravo de Bach, que são também coisas importantes, mas que não estão no centro da nossa vida civil nem do pacto social. Com a temperança está todo o léxico da ética das virtudes que tende a desaparecer da gramática da vida em comum; e as consequências políticas, civis e econômicas deste eclipse estão já tristemente à vista de todos.

A nossa civilização (pelo menos a ocidental) corre o risco de deixar de compreender a mensagem de vida boa contida na ética das virtudes, e isso depende de diversos motivos, de dois especialmente.

O primeiro é o desaparecimento do conceito de educação do caráter, a começar pela educação das nossas crianças: o que é natural e espontâneo torna-se automaticamente bom, sem necessidade de corrigir e orientar comportamentos ou inclinações espontâneas, e que no entanto não são boas. Conheço pais que em nome de não especificadas teorias pedagógicas neo-rousseaunianas deixam tranquilamente que os filhos não os chamem mamãe ou papai, mas sim Luísa e Marcos. "É assim que lhes sai", argumentam perante a minha perplexidade, "para quê forçá-los?!". A ética da virtude, pelo contrário, vive de uma tensão dinâmica entre natureza (todos somos capazes de virtude) e cultura (que precisa de exercício, disciplina e vontade para que nos tornemos naquilo que somos já potencialmente). Por isso grandes praticantes da ética das virtudes – muitas vezes sem sequer se darem conta – são os verdadeiros atletas e cientistas. O segundo motivo é o não ser capaz de reconhecer um valor na experiência do limite. Quando não se consegue ver o positivo do limite é impossível compreender e apreciar as virtudes, de modo especial a temperança, que consiste precisamente em dar valor ao limite que, ao mesmo tempo que restringe o horizonte de visão (como a “sebe da colina do Infinito” de Leopardi), abre «intermináveis espaços que estão para além dela». É possível que a escrita em tabuinhas de argila na Mesopotâmia tenha nascido porque um certo mensageiro do senhor de Uruk era mudo.

De temperança já nem se fala mais, massão muitos, muitíssimos, os maus frutos da sua falta: da destruição do ambiente, ao estilo de vida dos novos ricos e poderosos; de como se fala, escreve e-mail, até às tragédias familiares e infelicidades incontáveis, causadas muitas vezes por homens e mulheres não mais educados ao domínio de si e ao controle das suas paixões, isto é, à temperança.

A temperança foi também uma grande virtude econômica das gerações passadas. Ela orientou o consumo e, sobretudo, deu origem à poupança que permitiu o desenvolvimento econômico do segundo pós-guerra. Uma virtude que permeava também a vida dos empresários que, embora sabendo o que é a abundância, educavam os filhos e viviam eles mesmos o bom uso das coisas e uma certa sobriedade que não humilhava os pobres. Isso não se aplica àqueles que vivem de rendimentos – que nunca me cansarei de distinguir dos empresários – cuja proliferação considero ser a primeira doença de toda a sociedade decadente. A virtude da temperança leva a não consumir hoje uma parte do rendimento para poder dispor dele amanhã – eu e a minha família – e para permitir que outros cidadãos possam usar para investimentos a riqueza disponibilizada pela minha abstinência. É significativo que a teoria econômica clássica utilizasse, para designar a poupança, a mesma palavra "abstinência", normalmente usada para o jejum e para a castidade, recordando assim que estes três fenômenos eram todos filhos da Senhora temperança.

A nossa cultura econômica que se baseia no maior consumo possível aqui e agora – e melhor ainda se for a crédito -  tem, pelo contrário, necessidade do vício da intemperança (uma mistura de avareza e gula) para poder se auto-alimentar.  A natureza da virtude da temperança compreende-se se pensarmos que ela se desenvolveu num mundo caracterizado pela escassez absoluta de recursos. É bom não abusar dos bens, pois aquilo que eu consumo como supérfluo é o que falta ao outro como necessário. Todo o ensinamento dos Padres da Igreja sobre o uso dos bens e sobre a pobreza deve ser lido e compreendido neste contexto de recursos limitados e de relacionamentos econômicos como "jogos de soma zero". Assim como deverá ser inserida neste horizonte de escassez a ética campesina centrada na virtude da temperança, incluindo aquele seu típico florescimento que foi o movimento das caixas rurais, sobretudo no nordeste italiano (não é certamente por acaso que a província Trentino - Alto Adige está hoje no último lugar na Itália, no que diz respeito à percentagem da população vítima da grave falta de temperança, que é o jogo de azar!).

No século XX, com a segunda revolução industrial, pensamos que tivesse terminado a era da escassez e que tínhamos chegado ao éden da infinita capacidade de reprodução de bens; E começamos a olhar o mundo como um lugar de recursos potencialmente ilimitados. Daqui o declínio da temperança como virtude. Pena que esta fase de recursos sem limites tenha durado pouco mais que um instante, porque, primeiro o ambiente, depois as energias e a água, e com eles a deterioração de capitais civis, relacionais e espirituais foram nos mostrando em seguida outros limites não menos estreitos e graves que os da época da escassez de mercadorias privadas e de abundância de capitais coletivos. Hoje os novos limites são, sobretudo, sociais e globais e, para com eles conviver, seria necessária uma imediata redescoberta da temperança, que deveria ser proposta como nova virtude social e econômica.

Não pode ser adiada por mais tempo a interiorização do valor do limite, e isso apenas poderá ser feito por uma nova ética das virtudes, uma vez que toda a interiorização requer o saber atribuir um valor intrínseco às coisas, acima do cálculo utilitário de custo benefício, hoje dominante em todos os âmbitos da nossa cultura. Mas enquanto ontem existia uma relação clara entre a minha temperança e o meu bem-estar pessoal e o nosso bem comum, hoje na era da complexidade este nexo ofuscou-se. Já não é imediato associar o uso do ar condicionado na minha casa ao aumento da temperatura nas cidades (e ao consequente aumento do uso de ar condicionado, em espirais que projetam carregados cenários para o futuro). A racionalidade econômica por si só não ajuda a esta tomada de consciência (pelo contrário); seria necessário o registro lógico da virtude que nos leva a praticar uma ação por termos interiorizado o seu valor intrínseco. Por isso, se não des-mercantilizarmos a  sociedade, isto é, se não libertarmos importantes áreas da vida civil, hoje ocupadas e colonizadas pela lógica do preço e do incentivo, cada vez menos entenderemos o valor da sobriedade, da abstinência, do controle de si mesmo, e cada vez menos as crianças entenderão isso.

Concluindo, ontem como hoje, sem temperança não há partilha de bens, não existe a alegria da comunhão. Se não nos educarmos continuamente a delimitar as fronteiras do eu, partilharemos com os outros apenas as migalhas de refeições exageradas; Mas assim não experimentaremos a verdadeira fraternidade, que é fruto de escolhas difíceis de quem sabe limitar razões e âmbitos do "eu", para edificar as do "nosso", e as de todos.


Todos os comentários de Luigino Bruni publicados em Avvenire estão disponíveis no menu Editoriais Avvenire  

Image

ARQUIVO DE ARTIGOS

Lìngua: PORTUGUÊS

LIVROS, ARTIGOS & MEIOS

Lìngua: PORTUGUÊS

Filtrar por Categorias

© 2008 - 2022 Economia di Comunione (EdC) - Movimento dei Focolari
creative commons Questo/a opera è pubblicato sotto una Licenza Creative Commons . Progetto grafico: Marco Riccardi - edc@marcoriccardi.it